#Coluna Miguel Leiria: Voluntariado

#Coluna Miguel Leiria: Voluntariado

 

Mensalmente aqui na coluna vou falar sobre questões relacionadas ao ODS 2 –  Fome Zero e Agricultura Sustentável e ao ODS 12 – Consumo e Produção Responsáveis. Estarão sempre em pauta assuntos ligados a redução do desperdício de alimentos, segurança alimentar, sustentabilidade e novos negócios. Na edição anterior, contei um pouco sobre minha trajetória até aqui. Nessa edição, faço um convite à reflexão dos caminhos que o voluntariado pode abrir para quem não sabe por onde começar a mudança. Além disso, a influência do pensamento positivo na evolução humana. Boa leitura!

 

Pensamento positivo é o poder que você tem!

 

Nós somos habitantes de um planeta construído por pensamentos de pessoas das mais diversas culturas e credos. A forma que vivemos em sociedade, as divisões de território, infra-estruturas, meios de locomoção, de comunicação; são evoluções da curiosidade do ser humano em desenvolver o novo. Tudo que aqui existe é a materialização do pensamento humano.

Assim como utilizamos nosso pensamento para construir maravilhas, das quais não sabemos como viveríamos sem, o ser humano também desenvolve o caos por meio de pensamentos que eu chamaria de negativos.

São esses pensamentos que resultam na forma que vivemos e agimos em sociedade.

O pensamento positivo pode nos levar a dimensões e espaços que muitas e muitas vezes não fazemos ideia de onde podemos chegar e quem podemos atingir.

Pensar positivo é uma escolha, pois somos humanos e também temos nossas chateações. O fato é que, apenas reclamar, não muda absolutamente nada.

Quer um conselho para começar a mudança?

Seja voluntário!

É por conseqüência dessas boas energias que voluntários no mundo todo tem modificado setores da sociedade, trabalhando por um mundo melhor.

Sabe aquela ideia de que se conselho fosse bom, não seria dado?

Pois então, nós somos a geração de pessoas que dá o conselho e ainda colabora para que se concretize.

E por quê? Porque pensamos positivo e acreditamos em mundo mais colaborativo.

Há tempos o voluntariado deixou de ser caridade e se tornou um trabalho paralelo as atividades remuneradas.

O trabalho voluntário não só agrega valores importantes as organizações, mas enriquece a sociedade que ganha em troca cidadãos mais conscientes e com valores internos mais verdadeiros e solidificados.

Acima de tudo, a atividade de doar tempo e conhecimento para colaborar com causas sociais é um meio de acesso a realização e auto-satisfação ao exercício da cidadania.

Essas pessoas se tornam criativas, decididas e solidárias, capazes de identificar problemas, arregaçar as mangas e agir.

O impacto causado por essas ações pode ser medido também pela nova onda de empreendedores sociais, que começa a fundar organizações com propósitos. Uma grande parcela desses empreendedores iniciou trabalhando de forma voluntária, defendendo questões nas quais enxergaram oportunidades de mudança.

São esses empreendedores cheios de boas intenções que começam a modificar a economia global, criam novos modelos de negócios, e estabelecem uma forma mais humana de trabalho com o auxilio de novas tecnologias.

Ser voluntário é a porta de entrada para um mundo cheio de possibilidades onde você cria suas oportunidades. Sempre valerá a pena quando você entende o impacto causado por uma ação de um pensamento positivo. Sonhar com um mundo melhor, é acreditar que nós podemos fazer a mudança!

Existem 17 objetivos de Desenvolvimento Sustentável e 169 metas para serem atingidas até 2030. Que tal pensar no assunto? Escolha uma que te inspire!

 

Foto: nova-acropole.org.br

 

Miguel Leiria Neto é formado em Gastronomia pela Universidade da Região de Joinville – UNIVILLE. Líder no projeto Sabor de Sobra e ministrante das oficinas de eco-gastronomia realizadas pelo projeto. Cozinheiro líder no Restaurante Escola do Departamento de Gastronomia da Univille. Membro do convívio Dona Chica do Movimento Slow Food, Co-fundador da Santa Xepa e Co-fundador da startup Sustenta – Soluções Sustentáveis em Alimentação.

 

About The Author

Comunicação