Como a sociedade pode obter energia limpa?

Como a sociedade pode obter energia limpa?

 

ODS 7 –  Assegurar o acesso confiável, sustentável, moderno e a preço acessível à energia a todas as pessoas

A energia é cada vez mais vital para nossas necessidades. Residências, comércio, indústria, hospitais, escolas, universidades, produção de alimentos, lazer, transporte e tratamento de água e esgoto, iluminação pública, transporte de pessoas e cargas, tudo isso depende da energia – na forma de eletricidade, combustíveis, climatização… a lista, se não infindável, é extensa.

É consenso que o acesso à energia será mais sustentável – duradouro – quão mais renovável for sua fonte. Sol, vento, água e biomassa são fontes duradouras e/ou renováveis. Mas, para transformar essas fontes nas formas de que precisamos da energia, utilizamos outros recursos do planeta em que vivemos, que não são infinitos.
Já para que se tenha confiabilidade e modernidade, temos que contar com ciência e tecnologia. Em uma palavra, conhecimento – que custa dedicação, base educacional, recursos econômico-financeiros, gestão técnica e política. Via de regra, países mais desenvolvidos ou em processo célere de desenvolvimento possuem alto grau de domínio desses fatores, e mais ainda, de compreensão da sua importância. Pois acreditamos que são esses mesmos fatores os capazes de tornar a energia mais barata e acessível para populações como a do Brasil, em tempo e escala compatíveis com a Agenda 2030.

Para a finalidade deste nosso artigo inaugural sobre o tema, primeiro pensemos na política – não como algo distante de nós, próprio de parlamentares e executivos de linguagem às vezes incompreensível e atitudes tantas vezes inaceitáveis. Procuremos entender a política como algo capaz de resolver conflitos de forma não só pacífica como negocial – e que, para negociarmos, precisamos desenvolver nossa capacidade de empatia: a de se colocar no lugar da outra parte, buscando entender seus objetivos e possibilidades. Para quem dispõe de conhecimento e recursos em um país em que essas coisas não são tão fáceis de se ter ou obter, é mais simples o acesso a energias mais sustentáveis, modernas e a preços acessíveis, como a energia solar por meio de painéis fotovoltaicos em telhados ou áreas apropriadas. Porém, se almejarmos que a energia chegue de fato a toda a população do Brasil, de forma moderna, confiável e a preço acessível, nosso papel político, como membros de uma sociedade, como qualquer outra, feita de comunidades, terá que ser bem mais ativo do que simplesmente reclamar ou esperar que a política oficial resolva.
Que bom contarmos com o Movimento ODS Santa Catarina.


Mario Corrêa de Sá e Benevides é sócio-diretor da PowerSB Sustainability and Business. Engenheiro eletricista pela UERJ, MBA pela Fundação Dom Cabral e pós-MBA pela Kellogg School of Management (EUA), com mais de 40 anos de experiência em diversos setores, com ênfase para energia elétrica, sustentabilidade e redação empresarial. Coautor e organizador dos livros Nós e a Sustentabilidade (Polimix, 2012) e Bairro Paraíso, Criciúma (Design, 2009), ambos sobre temas sociais, ambientais e político-econômicos. Coautor de dois artigos sobre energia solar publicados em livros pela Springer International Publishing Switzerland (2015 e 2016), apresentados na Manchester Metropolitan University (Inglaterra, 2014 e 2015). Autor de A revolução do silêncio (romance, Design, 2007) e de Os olhos delas (poesia, Polimix, 2014). Professor do Centro Internacional da Unisul, da disciplina Sustainable Tourism in Brazil. Maiores informações em powersb.com.

 

Imagem: Pixabay – seagul 

About The Author

Comunicação