Hacking Health SC promove encontro imersivo em Florianópolis propondo aos participantes o desafio de pensar soluções para a fila do SUS usando tecnologia

Hacking Health SC promove encontro imersivo em Florianópolis propondo aos participantes o desafio de pensar soluções para a fila do SUS usando tecnologia

A proposta do Hackhaton é que o problema, apresentado pela Secretaria de Saúde do Estado, seja entendido e debatido por várias pessoas com pontos de vista diferentes

Como levar inovação para a saúde? Esse é o desafio do Hackathon, encontro que acontecerá em Florianópolis de 01 a 03 de dezembro com a temática Gestão de Dados em Saúde. Promovido pelo Hacking Health – fundação canadense sem fins lucrativos – em parceria com a Secretaria Estadual de Saúde de Santa Catarina, os participantes serão desafiados a pensar em soluções a partir dos dados da fila do SUS – atualmente 471 mil pessoas aguardam por procedimentos. A ação, inédita no mundo, vai reunir pessoas dispostas a pensarem em como diminuir a lacuna entre saúde e tecnologia. As inscrições podem ser feitas no site hhsc.com.br

O principal objetivo do evento é reunir pessoas de diferentes setores como Saúde, Empreendedorismo, Tecnologia, Design e outros para que, juntos, discutam de forma prática o desafio da fila do atendimento SUS. Santa Catarina foi o primeiro Estado a compartilhar as informações e expor as dificuldades. A partir disso, as soluções visam aliviar o tamanho da fila. “Muitas vezes, alguém pensa numa solução, mas tem dificuldade em expor o problema. Mas na verdade, é um problema ou uma consequência de algo maior. O que realmente gera a fila do SUS?”, questiona Ivan Moraes, voluntário do movimento. Para estimular a inovação, o evento terá à disposição tecnologias como Ciência de Dados, Big Data e Computação Cognitiva, além de um grupo de mentores como Heverthom Fischer, Arquiteto Computação Cognitiva IBM Brasil, Sergio Gama, líder da América Latina para Computação Cognitiva e Fernando Carbonieri – médico e empreendedor – Academia Médica, Walmoli Geber – Diretor Vertical Saúde Acate, Softplan, Centro de Inovação SESI, Rogério Malveira, empreendedor social que busca revolucionar as receitas médicas, e Gib Medeiros – Líder Hacking Health Brasil. Os participantes poderão ter acesso às tecnologias disponíveis na nuvem com apoio dos mentores para correlacionar os dados disponíveis sobre a fila do SUS e identificar possíveis soluções.

Ao longo do ano foram realizadas ações como cafés, clínicas e oficinas para chegar ao tema da edição realizada em Florianópolis. A essência do Hackhing Health é trabalhar desafios da comunidade. Em Joinville, por exemplo, o tema foi a Prevenção a Doenças Crônicas e uma das soluções propostas foi o aplicativo “Meu Pé”, ferramenta desenvolvida para pacientes diabéticos e profissionais de saúde a fim de evitar amputações, que identifica situações de risco e gera orientações ao paciente. “O que percebemos é que a fila do SUS pode ser decorrente de vários fatores, por isso faz sentido trazer a discussão num evento como o Hackathon, validando soluções para gerar impacto na área da saúde baseado em dados concretos. Não sabemos qual será o resultado no domingo, mas queremos fomentar o exercício de várias pessoas pensando soluções disruptivas”, conta Ivan.

A ação acontecerá em paralelo com o Hackathon de Frankfurt, na Alemanha, e Lion, na França, que serão acionados online para a troca de experiências simultaneamente entre os participantes.

O Hacking Health

O Hacking Health é um movimento de origem canadense presente em mais de 30 países que une profissionais da saúde, empreendedores, designers, profissionais da tecnologia para juntos repensar o sistema de saúde e criar soluções para os problemas do setor. Utilizando uma metodologia já testada e aprovada em mais de 90 cidades de todo o mundo, o Hacking Health busca parceiros locais para fomentar o ecossistema de inovação da cidade. “Fazemos isso buscando a criação e a valorização de centros de incubação, onde os empreendedores motivados a resolver as diversas dores de todo o complexo sistema da saúde, possam desenvolver suas soluções, beneficiando todo o ecossistema.”

O Hackathon

O Hackathon é uma maratona de desenvolvimento ágil, com pessoas focadas na obtenção de uma solução viável para os mais diversos segmentos (Saúde, Educação, Transporte, etc). As equipes são compostas por profissionais das mais variadas especialidades, desenvolvedores de Tecnologia da Informação e Designers. São equipes competindo entre si para que em pouco mais de 48 horas apresentem a dor a ser resolvida com uma possível solução para aquele desafio explorado, o potencial mercado, prováveis clientes e impacto gerado na comunidade. Em Florianópolis, será realizado em parceria com a Secretaria Estadual de Saúde de Santa Catarina e diversas entidades regionais (SESI-FIESC, Fundação Certi – Incubadora Celta, ACATE – Vertical Saúde, Social Good Brasil, UFSC e AEMED).

 

Serviço

O quê: Hackathon Gestão de Dados em Saúde

Quando: 01, 02 e 03 de dezembro de 2017. Dia 01 das 14h às 21h. Dia 02 das 08h30 às 23h59. Dia 03 das 06h às 12h.

Onde: Incubadora Celta – Parque Tecnológico Alfa – Rodovia SC 401 Km 01, João Paulo – Florianópolis – SC.

Para quem:  Designers, Programadores, profissionais da saúde e qualquer pessoa que queira pensar em soluções para o problema apresentado, além de fazer networking e aprender sobre empreendedorismo e novas tecnologias na prática.

Quanto? R$ 25

Informações e inscrições: http://hhsc.com.br

Foto: Divulgação Hacking Health

About The Author

Comunicação